Dons e talentos

Este artigo foi escrito em 1977 pelo Élder Henry D. Taylor, na época membro do Primeiro Quórum dos Setenta.

Nossos talentos são diferentes. A alguns é dado um e a outros outros. Nem todos vocês podem ser Gifford Nielson no campo de futebol ou Kresimir Cosic na quadra de basquete, mas podem se destacar em alguma coisa. De suas posições virão nossos excelentes educadores, advogados, músicos, empresários, médicos, governantes, fazendeiros e cientistas.

Você provavelmente tem dons e talentos que ainda não descobriu ou que estão adormecidos. Eles devem ser despertados.

O Senhor disse a Joseph Smith:

“Pois a todos não são dados todos os dons; pois há muitos dons e a cada homem é dado um dom pelo Espírito de Deus.

A alguns é dado um, a outros é dado outro, para que desse modo todos sejam beneficiados”. (D&C 46:11-12.)

Mesmo que sinta que seus talentos são pequenos, você ainda pode desenvolvê-los. Onde o desejo é forte, talentos aparentemente fracos podem ser fortalecidos e desenvolvidos. Quando menino, o Presidente Heber J. Grant percebeu algumas limitações. Ele não foi abençoado com talento atlético. Ele não cantava bem – na verdade, ele nem conseguia cantar. Ele não conseguia escrever de forma legível.

Com um grande desejo de conquista e por meio de longas e consistentes horas de prática, ele se tornou membro do time campeão estadual de beisebol. Ele aprendeu a cantar muitos dos hinos santos dos últimos dias. Ele se tornou um especialista em caligrafia e complementou sua renda escrevendo cartões de Natal.

O Presidente Grant resumiu suas realizações com estas palavras de Ralph Waldo Emerson: “Aquilo que persistimos em fazer torna-se mais fácil de realizar; não que a natureza da tarefa mude, mas nossa capacidade aumenta”. (Heber J. Grant, Padrões do Evangelho, Salt Lake City, Utah: The Improvement Era, 1941, p. 355.)

Cada um de nós possui uma personalidade própria, e o Senhor nos dá talentos que nos ajudam a construir e desenvolver essa personalidade.

Há a possibilidade de que dádivas sejam concedidas, mas não recebidas. O Senhor faz o seguinte questionamento: “Pois de que vale a um homem ser-lhe conferida uma dádiva e não a receber? Eis que ele não se regozija no que lhe foi dado nem se regozija naquele que faz a doação” (D&C 88:33). O escriba de Joseph Smith, Oliver Cowdery, certa vez ficou com inveja e desejou ter o poder da tradução para si mesmo.

Em resposta à pergunta de Joseph, o Senhor prometeu a Oliver muitos presentes, entre eles o dom de traduzir outros registros antigos que haviam sido ocultados.

Parece que Oliver, embora lhe tivesse sido prometido o dom da tradução, negligenciou a busca diligente para obtê-lo. Com medo, ele fez uma tentativa débil de traduzir, mas sem reflexão e estudo em espírito de oração e sem perguntar se suas traduções estavam corretas. Como resultado de seu medo, indiferença e hesitação, o Senhor tirou o privilégio de traduzir naquela época, dizendo: “Eis que era conveniente quando começaste, mas temeste e a hora passou; e agora não convém” (D&C 9:11).

Eu me pergunto quantas vezes o medo, a inveja e a procrastinação nos impedem de exercer os dons e talentos com os quais o Senhor nos abençoou.

Quando recebemos um dom ou talento do Senhor, temos a obrigação de usá-lo. Em uma parábola, o Salvador contou a história de um homem que estava se preparando para ir a um país distante. Antes de partir, ele confiou a um servo cinco talentos, a outros dois talentos e a outro um talento. Os primeiros dois servos investiram seus talentos e os dobraram. O último servo, com medo, enterrou seu único talento na terra. Ao retornar, o viajante disse a cada um dos dois primeiros servos: “Bem está, servo bom e fiel”, mas ao servo que enterrou seu talento ele disse:

“Mau e negligente servo; sabes que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei;

Por isso te cumpria dar o meu dinheiro aos banqueiros, e quando eu viesse, receberia o meu com os juros.

Tirai-lhe, pois, o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos.

Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes” (Mateus 25:26-28,30).

Existem outras pessoas que foram abençoadas com talentos, mas falharam em usá-los de maneira justa. Lúcifer, o filho da manhã, tinha qualidades e talentos excelentes, mas tornando-se egoísta e egocêntrico, ele usou seus dons para reunir um terço das hostes do céu e liderá-las em rebelião contra Jeová.

Por causa de sua desobediência deliberada, foi-lhes negado o corpo mortal e muitas outras bênçãos que são concedidas aos fiéis. Lúcifer, conhecido como Satanás ou o diabo, continua em seu caminho egoísta, destruindo todos os que se permitirem ficar sob sua influência maligna.

Aqueles de nós que estão aqui guardaram nosso primeiro estado e progrediram para uma vida mortal. Nossas responsabilidades e potencial são ilimitados. Meu presidente de missão, B. H. Roberts, perguntou, “É uma doutrina estranha e blasfema, então, sustentar que os homens finalmente se elevarão à dignidade que o Pai alcançou: É ‘ignorância’ acreditar que a descendência acabará sendo o que o pai é?” (Mormon Doctrine of Deity, p. 33) Somos filhos e filhas de um Pai Celestial.

O homem é um ser divino, viajando de eternidade em eternidade. Ele passa por muitas fases em sua busca da exaltação, adquirindo importantes conhecimentos em cada uma delas. Ele é co-eterno e coexistente com Deus, e existia como uma inteligência antes de se tornar um descendente espiritual de um Pai Celestial. Profetas inspirados garantiram-nos que participamos do grande conselho no céu, onde os seres espirituais se reuniram e foram avisados ​​sobre a Terra que seria organizada. Ao saber das oportunidades que teriam, todos os filhos de Deus expressaram alegria e as estrelas da manhã cantaram junto (ver Jó 38:7).

Muitos desses espíritos eram líderes em potencial. Abraão recebeu a garantia de que foi escolhido pelo Senhor: “Ora, o Senhor mostrara a mim, Abraão, as inteligências que foram organizadas antes de o mundo existir; e entre todas essas havia muitas das nobres e grandes;

E Deus viu que essas almas eram boas; e ele estava no meio delas e disse: A estes farei meus governantes; pois ele se encontrava entre aqueles que eram espíritos, e viu que eles eram bons; e disse-me: Abraão, tu és um deles; foste escolhido antes de nasceres” (Abraão 3:22-23).

Alguns de vocês, jovens, também foram escolhidos como líderes em potencial e receberam os dons de que precisam.

Como resultado de nossa obediência naquela vida anterior, temos o privilégio de nascer de pais mortais nesta vida terrena. O Senhor disse que seremos testados e tentados para provar se faremos todas as coisas que ele ordenar. Estamos buscando a perfeição. O Senhor deu-nos a admoestação: “Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.” (Mateus 5:48)

A vida nos oferece muitos desafios que tornam essa conquista difícil. Como vamos enfrentar esses desafios?

Deus concedeu a cada um de nós dons, talentos e habilidades, com a esperança e expectativa de que os aumentaremos e usaremos – não para fins egoístas, mas para o benefício de outros. Nunca nos esqueçamos de que esses dons são dados ” a fim de que todo membro se beneficie com isso”. Lembro que o serviço na Igreja oferece oportunidades ilimitadas para o uso altruísta de nossos dons e talentos dados por Deus.

Ao nos esforçarmos para magnificar nossos dons e talentos e nos tornarmos o que o Senhor deseja que nos tornemos, devemos ter em mente a pergunta: “Qual é o maior dom prometido pelo Senhor?”

Ele disse: “E se guardares meus mandamentos e perseverares até o fim, terás vida eterna, que é o maior de todos os dons de Deus” (D&C 14:7).

Essa deve ser a meta de toda pessoa justa – de algum dia entrar na presença de nosso Pai Celestial, para ouvir as palavras de louvor: “Bem está, servo bom e fiel” (Mateus 25:21).

Fonte: The Church of Jesus Christ of Latter Day Saints

O post Dons e talentos apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *