Por que Martin Harris queria ver as placas em março de 1829?

“Portanto, pelas palavras de três, disse Deus, estabelecerei a minha palavra. Não obstante, Deus envia mais testemunhas e ele comprova todas as suas palavras”. 2 Néfi 11:3

O conhecimento

Em julho de 1828, depois que Martin Harris disse a Joseph que havia perdido as 116 páginas do manuscrito traduzido do Livro de Mórmon que ele ajudara a transcrever no início daquela primavera, os dois não tiveram nenhum contato, pelo que sabemos, até março de 1829.

Naquela época, como relembrou Martin, “o povo se levantou e se uniu contra a obra, reunindo testemunho contra as placas”.

De acordo com Lucy Mack Smith, a esposa de Martin, Lucy Harris, liderou o povo, montando em seu cavalo e cavalgando “de casa em casa pela vizinhança, como um espírito negro”, reunindo testemunho contra a alegação de Joseph de possuir placas de ouro.

Lucy e outros planejavam entrar com um processo contra Joseph Smith por tentar enganar as pessoas, principalmente o próprio Martin, com falsas alegações de possuir placas de ouro.

As pessoas disseram a Martin que tinham testemunho suficiente para incriminar Joseph e seu pai, Joseph Smith Sênior, e se Martin não os ajudasse a “colocar Joseph na prisão … por engano”, eles também acusariam Martin de co-conspirador.

Essa situação inspirou Martin a ir a Harmony e se encontrar com Joseph Smith. Devido ao processo judicial iminente, Martin tinha bons motivos para querer e pedir “um testemunho maior” das placas.

Como resultado, Joseph Smith buscou a vontade do Senhor e recebeu a revelação agora canonizada como Doutrina e Convênios 5.

Nesta revelação, o Senhor reconhece que “meu servo Martin Harris desejou receber de minhas mãos um testemunho de que tu, meu servo Joseph Smith Júnior, possuis as placas sobre as quais testemunhaste e que afirmaste teres recebido de mim” (D&C 5:1).

Por meio de Joseph Smith, o Senhor lembrou a Martin que as placas só poderiam ser mostradas àqueles a quem o Senhor ordenou que as visse (D&C 5:3).

O Senhor então informou a Martin e Joseph que, “os testemunhos de três de meus servos, que chamarei e ordenarei, a quem mostrarei essas coisas” (D&C 5:11).

Esses três, continuou o Senhor, “saberão com certeza que essas coisas são verdadeiras, porque dos céus lhas declararei” (D&C 5:12).

O Senhor então prometeu a Martin: “mas se prostrar-se perante mim e humilhar-se em fervorosa oração e fé, com o coração sincero, então permitirei que veja as coisas que deseja ver” (D&C 5:24).

Depois de ver as placas, o Senhor instruiu Martin a testemunhar o que viu e testificar da seguinte maneira: “Eis que vi as coisas que o Senhor mostrou a Joseph Smith Júnior e sei, sem dúvida, que são verdadeiras, porque as vi; pois foram-me mostradas pelo poder de Deus e não dos homens” (D&C 5:25).

O Senhor também emitiu vários avisos para aqueles “[desta] geração” que “que estão à espreita para eliminar [Joseph] da face da Terra” (D&C 5:18, 33), provavelmente referindo-se às pessoas que organizaram o julgamento contra Joseph naquele momento.

Então, o Senhor os advertiu “oh! esta geração incrédula e obstinada — minha ira está acesa contra ela” (D&C 5: 8).

Eles seriam condenados se “[endurecessem] o coração” contra as três testemunhas, e um “flagelo assolador” recairia sobre eles (D&C 5:18-19).

O porquê

Martin deixou Harmony satisfeito por Joseph ter as placas. No caminho de volta para Palmyra, ele contou a um outro passageiro tudo sobre o Livro de Mórmon e até citou partes do que já havia sido traduzido para ele. Como Steven C. Harper apontou, “esta revelação reorientou Martin”.

Ele veio ao Senhor dizendo: “Mostre-me e eu acreditarei. E deixe-me provar aos outros para que eles acreditem”.

Com Joseph como mediador, o Senhor respondeu que mostraria a Martin depois que ele decidisse acreditar e ser humilde, não antes.

Como resultado, quando chegou o dia do tribunal, Martin pôde e prestou, com confiança, testemunho em apoio a Joseph Smith.

Várias testemunhas, inconsistentes umas com as outras, testemunharam que a caixa com as placas na verdade continha areia, ou chumbo, ou até mesmo que estavam vazias, e especularam que era um de modo enganar Martin para obter dinheiro.

Martin então “testificou com ousadia, decisão e energia”, dizendo: “Posso jurar que Joseph Smith nunca obteve um dólar de mim pela persuasão, desde que Deus me criou”.

Em seguida, ecoando as advertências do Senhor em D&C 5, ele declarou: “E quanto às placas que ele professa possuir, senhores, se vocês não acreditam, mas continuam a resistir à verdade, um dia será o meio de condenar suas almas”.

A revelação do Senhor deu confiança a Martin e, apesar de ainda não ter visto as placas, ele mostrou sua fé nas promessas do Senhor.

Durante os últimos dias de junho de 1829, ele foi recompensado por sua fé, juntando-se a Oliver Cowdery e David Whitmer como uma das Três Testemunhas do Livro de Mórmon.

Um anjo mostrou as placas – talvez o próprio Morôni – e ouviram a voz de Deus declarar que a tradução agora terminada do registro antigo estava correta. Martin, junto com os outros, foi fiel a esse testemunho pelo resto de sua longa vida.

Quando visto no contexto histórico que o cerca, o desejo de Martin de obter um testemunho das placas pode ser visto como uma resposta à crescente pressão social e até mesmo ações legais.

Hoje, assim como Martin, muitas pessoas podem descobrir que sua fé no Livro de Mórmon está sendo contestada ou refutada de forma semelhante por algumas pessoas ao seu redor.

No entanto, em vez de ceder à pressão, também podemos buscar mais diligente e fielmente obter as respostas de Deus.

Afinal, assim como a promessa feita a Martin em D&C 5, leitores em todos os lugares receberam a promessa de que obterão um testemunho da veracidade do Livro de Mórmon, se o buscarem com confiança na misericórdia e bondade de Cristo, e com fé, paciência, diligência, sinceridade e real intenção (Morôni 10: 3-5).

Em vez de permitir que a pressão externa prejudique nosso testemunho, podemos, assim como Martin Harris, permitir que ela nos impulsione a novos níveis de fé, convicção e ação dedicada que, de outra forma, nunca alcançaríamos.

Fonte: Book Of Mormon Central

O post Por que Martin Harris queria ver as placas em março de 1829? apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *