A força e importância das mulheres na obra do Senhor

Há algum tempo fui apresentada a uma magnífica mulher de outra fé, brilhante, eloquente, muito bem informada sobre os acontecimentos do dia a dia, de quem gostei no mesmo instante me que conheci.

À medida que começamos a nos conhecer melhor, ela me disse: “Devo dizer que não tenho uma perspectiva muito boa sobre sua igreja”.

“Sério?”, respondi. “Diga-me o porquê”.

Sua resposta foi simples: “Porque as mulheres de sua Igreja não têm permissão de participar dela”.

Tentei não demonstrar emoção, mas não foi possível e comecei a rir. Ela pareceu confusa e perguntou o que era tão engraçado.

“Se você dissesse a uma multidão de mulheres santos dos últimos dias que estão ativamente envolvidas na Igreja que acha que elas não têm permissão de ‘participar’ dela, elas ririam muito e se perguntariam como você teve essa ideia. Isto está longe de ser verdade”.

Naturalmente, ela queria saber o que as mulheres de nossa Igreja estavam fazendo, e esse foi todo o incentivo de que eu precisava para lhe dar uma ideia da vida de uma mulher santo dos últimos dias.

Quando Joseph Smith soube o que as mulheres da Igreja estavam fazendo para ajudar a terminar o interior do Templo de Kirtland, ele disse:

“As irmãs são sempre as primeiras em todas as boas obras. Maria [Madalena] foi a primeira por ocasião da ressurreição; e as irmãs agora são as primeiras a trabalhar na parte interior do templo”.

Mary Ann Pratt é um grande exemplo da força e fé vigorosa que as mulheres santos dos últimos dias têm demonstrado desde os primeiros dias da Restauração.

Mary Ann Pratt

Ela se casou com o Élder Parley P. Pratt em 1837 e se mudou para o Missouri, onde sofreu perseguições que fizeram com que os santos mudassem de um condado para outro.

Quando seu esposo foi levado cativo por uma turba em Far West, Missouri, Mary Ann ficou de cama com uma febre terrível e ao mesmo tempo teve que cuidar de seu bebê e filho de cinco anos. Ela implorou ao Senhor para ajudá-la e, finalmente, se recuperou milagrosamente.

Com a saúde restaurada, Mary Ann visitou seu esposo enquanto ele estava preso e ficou com ele por um período de tempo. Ela escreveu:

“Estive em seu calabouço, o qual era úmido, escuro, insalubre e sem ventilação, tendo apenas pequenas grades em um dos lados. Fomos obrigados a dormir nisso”.

Parley P. Pratt

Após Parley ser libertado, Mary Ann e seu esposo serviram missões em Nova York e na Inglaterra, e estavam entre aqueles que formaram, como ela descreveu, “a fatigada coligação final rumo a Utah”.

O Élder Pratt acabou falecendo como um mártir enquanto servia em outra missão. Apesar de tudo o que aconteceu, Mary Ann permaneceu fiel:

“Fui batizada na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (…), sendo convencida das verdades de sua doutrina no primeiro sermão que ouvi; e eu disse em meu coração que, se houvessem apenas três que permanecessem firmes na fé, eu seria um deles; e mesmo diante das perseguições que tive de suportar, ainda sinto o mesmo; meu coração jamais se desviou dessa determinação”.

Recentemente, o Élder Quentin L. Cook compartilhou uma experiência que teve em uma conferência de estaca em Tonga, onde a influência das mulheres era muito evidente.

Naquela conferência, foram chamados os nomes de sessenta e três futuros élderes que seriam apoiados em sua ordenação ao Sacerdócio de Melquisedeque.

Quando o Élder Cook perguntou como um número tão grande de homens poderia estar preparado e digno de receber o sacerdócio, o presidente da estaca disse a ele que a questão da reativação foi discutida em uma reunião do conselho da estaca, e a presidente da Sociedade de Socorro da estaca, a irmã Leinata Va’enuku, disse que havia muitos homens na casa dos vinte e trinta anos que não haviam servido missão, sentiam que haviam desapontado seus líderes do sacerdócio e suas famílias e não se sentiam no mesmo nível que os outros membros da Igreja.

Ela expressou seu amor por esses rapazes e sugeriu que o conselho se concentrasse em permitir que esses homens tivessem acesso às ordenanças do sacerdócio e do templo.

Ela observou que muitos deles haviam se casado com mulheres maravilhosas, algumas delas ativas, outras menos ativas e algumas que não eram membros.

O Élder Cook continuou:

“Enquanto ela falava, o Espírito confirmou ao presidente que o que ela estava sugerindo era verdade… foi decidido que os homens do sacerdócio e as mulheres da Sociedade de Socorro procurariam resgatar aqueles homens e as esposas…

Nos dois anos subsequentes, quase todos os 63 homens que haviam sido apoiados para receber o Sacerdócio de Melquisedeque na conferência da qual participei receberam a investidura no templo e foram selados ao cônjuge. Esse relato é apenas um exemplo de como nossas irmãs são essenciais para o trabalho de salvação”.

Mary Ann Pratt, Leinata Va’enuku e muitas outras mulheres santos dos últimos dias têm sido exemplos vivos da declaração do Presidente Heber J. Grant de que “sem o magnífico trabalho das irmãs, a Igreja teria fracassado”.

Na conferência geral de outubro de 2018, o Presidente Russell M. Nelson declarou que “as mulheres moldam o futuro”. Ele também pediu às irmãs da Igreja que ajudassem a reunir a Israel dispersa:

“Queridas irmãs, precisamos de vocês. “Precisamos de sua força, de sua conversão, de sua convicção, de sua capacidade de liderar, de sua sabedoria e de sua voz.”4 Simplesmente não podemos coligar Israel sem vocês.”

Fonte: LDS Living

O post A força e importância das mulheres na obra do Senhor apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *