As lições que Eva e Adão aprenderam no Jardim do Éden antes de comerem do fruto

Embora cada um de nós atingimos diferentes níveis de estatura, capacidades e inteligência como filhos espirituais de Deus na esfera pré-mortal, um véu do esquecimento nos separa das memórias que temos daquele lugar e daquela época. Entramos na mortalidade puros e inocentes, com um mundo de aprendizado pela frente.

A doutrina restaurada ensina que Adão e Eva, da mesma forma, passaram pelo mesmo véu assim que receberam seus corpos físicos, mas seu papel como nossos primeiros pais necessitou uma transição que incluía um período de tutela divina no templo do Jardim do Éden.

Algumas representações do jardim nos levam a pensar que sua estadia lá foi breve, isso provavelmente acontece por conta de uma combinação de dispositivo literário e licença dramática para mover a narrativa. Desde os primeiros dias da Restauração, declarações proféticas inspiradas repetidamente confirmam que a vida no jardim, embora transitória, foi um período de grande aprendizagem, um tempo especial de preparação divinamente liderada para tudo o que estava para vir.

nomes

O Profeta Joseph Smith explicou que “Deus conversou com [Adão] face a face; em Sua presença, ele foi autorizado a ficar de pé, e a partir de Sua própria boca, ele foi autorizado a receber instrução—ele ouviu a Sua voz, caminhou diante Dele e contemplou Sua glória—enquanto a inteligência desabou sobre a sua compreensão.”

O Presidente Brigham Young reiterou esta verdade e a personalizou, acrescentando: “Adão estava tão familiarizado com o seu Pai como nós conversamos com os nossos pais terrenos.”

E o Presidente Joseph Fielding Smith acrescentou um terceiro testemunho poderoso, afirmando: “Quando Adão estava no Jardim do Éden, ele estava na presença do Pai e foi ensinado por Ele. Aprendeu a Sua língua. Ele estava tão familiarizado com o nosso Pai Eterno naquele jardim como nós com os nossos pais na vida mortal.”

Claramente, a inocência e o conhecimento não se excluem mutuamente, como estas declarações proféticas deixam claro. Aprendizagem crucial estava acontecendo no jardim. Mas o que Adão e Eva foram ensinados durante suas interações sagradas com a Deidade?

A respeitada estudiosa do evangelho e escritora, Beverly Campbell, em seu livro “Eva e a escolha no Jardim”, introduziu este tema para ponderarmos, exortando-nos a uma reflexão mais profunda. Ela escreveu: “Pelo fato de que eram os únicos que poderiam dar início a vida mortal, para que as próprias promessas de Deus a todos os Seus filhos pudessem ser cumpridas, podemos nos sentirmos confiantes de que Deus não os visitou para falar de assuntos insignificantes. Cada reunião foi certamente um momento de instrução importante.”

E realmente, eles não foram ensinados sobre assuntos menos importantes do que o plano de salvação durante este momento crucial de aprendizagem. É fundamental para nossa compreensão abrangente do plano do evangelho que compreendamos esta verdade crucial: Adão e Eva estavam sendo ensinados sobre o evangelho pela Deidade enquanto residiam no jardim.

Saltando um pouco à frente na cronologia da história, vamos considerar cuidadosamente os pensamentos do Élder Jeffrey R. Holland relacionados com este detalhe frequentemente negligenciado da história de Adão e Eva:

Eles—como nós – eram capazes e estavam dispostos a passarem pelos [terríveis riscos de tristeza e morte] apenas com o conhecimento de que haveria segurança no final do dia para aqueles que a desejavam e viveram para consegui-la. Eles estavam dispostos a transgredir intencionalmente e conscientemente (a única maneira que eles poderiam “cair” nas consequências da mortalidade, visto que Eloim certamente não poderia expulsar indivíduos inocentes do jardim e ainda ser um Deus justo), e isso só porque eles tinham pleno conhecimento do plano de salvação, o que lhes daria um caminho de volta depois de sua luta contra a morte e o inferno.

O Élder Holland fala sobre a extensão da aprendizagem que ocorreu no jardim, ao fato de que Eva e Adão eram inocentes, mas positivamente não ignorantes. O conhecimento é um pré-requisito do arbítrio.

Esta é uma doutrina simples, reiterada cada vez que uma criança de oito anos é batizada: a responsabilidade é baseada na compreensão. Esse princípio fundamental, tão fundamental para a nossa fé, tem sido verdadeira desde o início do mundo. Aplicava-se no jardim tal como se aplicava na pré-mortalidade e tal como se aplica a cada um de nós agora na mortalidade. Temos de ter, pelo menos, uma compreensão básica, talvez teórica, das nossas opções para podermos fazer uma escolha.

A distância entre inocência e conhecimento tem tudo a ver com a falta de experiência, e a vida no jardim seria um exemplo perfeito disso, como o Presidente Joseph Fielding Smith explicou. Referindo-se especificamente a Adão, como era costume na época, embora cada um destes pontos se aplique claramente a Eva também, o Presidente Smith afirmou:

“Ele não tinha conhecimento do bem e do mal. Ele tinha conhecimento, claro. Ele podia falar. Ele podia conversar. Havia muitas coisas que ele poderia ser aprendido e ele foi ensinado; mas sob as condições em que estava vivendo naquela época era impossível visualizar ou entender o poder do bem e do mal. Ele não sabia o que era a dor. Ele não sabia o que era a tristeza; e milhares de outras coisas que vieram a nós nesta vida que Adão não conhecia no Jardim do Éden, e não podia entender e não teria tido conhecimento se tivesse permanecido lá.”

Neste ponto de sua história, a peça que faltava do quebra-cabeça era a experiência, e seria necessário sair do jardim para encontrá-la.

Apesar de seu conhecimento ser mais equivalente a aprendizagem teórica do que pela prática, Adão e Eva entenderam o plano. Imagine a paz que eles sentiram no jardim, sendo ensinados por mentores divinos, que tinham a intenção de expressar o Seu amor e assegurar-lhes a sua segurança.

Tal como a nossa experiência na pré-mortalidade, em que construímos uma relação com Jeová que nos permite confiar no Seu papel de Salvador, a fiel coragem que Eva e Adão cultivavam durante este período de aprendizagem foi fundamental para o sucesso de tudo o que estava para vir. Embora aplicado em uma escala e magnitude diferente do que podemos normalmente enfrentar na vida cotidiana, Adão e Eva estavam preparados para agir por causa de sua confiança no Salvador.

Elder David A. Bednar explicou muito bem que a poderosa conexão entre confiança, fé e ação, observando que “a segurança e a esperança nos permitem caminhar até o limite do alcance da luz e dar alguns passos para dentro da escuridão—esperando e confiando que a luz se mova e ilumine o caminho. A combinação de segurança e esperança inicia ação no presente.”

Eva e Adão conheciam o propósito da vida e sentiam-se capacitados, por meio da combinação de segurança e esperança, a exercer o seu arbítrio para escolher dar início a mortalidade a todos os filhos de Deus, abrindo assim a porta para a experiência. Até mesmo neste ponto de sua história, eles entenderam que a vida no jardim não era o objetivo, mas que os objetivos são a exaltação e a glória celestial.

Fonte: LDS Living

Relacionado:

O que as escrituras modernas ensinam sobre os detalhes únicos da criação

O post As lições que Eva e Adão aprenderam no Jardim do Éden antes de comerem do fruto apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *