O Livro de Livro de Mórmon teve várias modificações e edições?

O Livro de Mórmon – um outro testamento de Jesus Cristo – é um livro de escritura sagrado, que foi traduzido por Joseph Smith, pelo dom e poder de Deus, de uma língua antiga e desconhecida para o inglês do século XIX. A primeira tiragem do livro contou com 5 mil cópias. Um artigo no site oficial da Igreja fala sobre essa primeira edição e das alterações feitas posteriormente:

“Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon pelo dom e poder de Deus. Durante o processo de ditado, transcrição, cópia, composição tipográfica e impressão, foram cometidos alguns erros humanos. Pouco depois da primeira impressão do Livro de Mórmon, em 1830, os leitores começaram a encontrar erros tipográficos, ortográficos e outros. O Profeta Joseph Smith e Oliver Cowdery fizeram mais de 1,000 correções na segunda edição (1837). Na terceira edição (1840), Joseph Smith fez outras correções após minuciosa revisão profética, comparando o manuscrito original com o texto impresso.”

Dois objetivos principais de cada edição publicada do Livro de Mórmon foram: (1) reproduzir fielmente o texto; e (2) tornar o texto acessível ao leitor. O objetivo da acessibilidade levou a alguma modernização e padronização do próprio texto e à adição de ajuda do leitor (material introdutório, versificação, notas de rodapé, resumos de capítulos, datas, guias de pronúncia e índices).

Essencialmente o texto do Livro de Mórmon não mudou. Sua mensagem é a mesma. Joseph testificou que “o Livro de Mórmon era o mais correto de todos os livros da Terra, (…) . . e que seguindo seus preceitos o homem se aproximaria mais de Deus do que seguindo os de qualquer outro livro” (History of the Church, vol. 4, p. 461). O sentido adequado da palavra “correto” como foi usada por Joseph Smith nessa declaração seria: “Estabelecido com exatidão, ou que se fez irrepreensível. Portanto, correto; de acordo com a verdade” (Noah Webster, An American Dictionary of the English Language [1828]). Toda edição do Livro de Mórmon tem sido crucial para trazer as pessoas ao conhecimento da verdade pelo poder do Espírito Santo (ver Morôni 10:3–5).

Primeira edição: 1830

Quatro edições foram publicadas durante a vida de Joseph Smith: 1. 1830: 5.000 cópias; publicado por E. B. Grandin em Palmyra, Nova York. Em geral, a primeira edição é uma cópia fiel do manuscrito da impressora (embora em uma ocasião o manuscrito original, e não o da impressora, tenha sido usado para tipografia). Na maior parte, esta edição reproduz o que o compositor, John H. Gilbert, considerou “erros” gramaticais. Gilbert adicionou pontuação e determinou o parágrafo para a primeira edição. No Prefácio, Joseph Smith explica a perda das páginas do manuscrito do Livro de Leí-116 (ver Manuscrito, Lost 116 Pages). Os testemunhos das Três e das Oito Testemunhas de Jeová foram colocados no final do livro. Nesta e em todas as outras edições iniciais, não há versificação.

Segunda edição: 1837

Pouco depois da primeira impressão do Livro de Mórmon, em 1830, os leitores começaram a encontrar erros tipográficos, ortográficos e outros. O Profeta Joseph Smith e Oliver Cowdery fizeram mais de 1,000 correções na segunda edição (1837). Foram cerca de 3.000 ou 5.000 cópias publicadas. Parley P. Pratt e John Goodson se encarregaram do trabalho em Kirtland, Ohio. Para esta edição, centenas de alterações gramaticais e algumas emendas foram feitas no texto. A edição de 1830 e o manuscrito da impressora foram usados ​​como base para esta edição.

Terceira edição: 1840

Na terceira edição (1840), Joseph Smith fez outras correções após minuciosa revisão profética, comparando o manuscrito original com o texto impresso. Foram 2.000 cópias; publicado por Ebenezer Robinson e Don Carlos Smith (por Shepard e Stearns, Cincinnati, Ohio), Nauvoo, Illinois. Joseph Smith comparou o texto impresso com o manuscrito original e descobriu vários erros ao copiar o manuscrito da impressora do original. Assim, a edição de 1840 restaura algumas das leituras do manuscrito original.

Quarta edição: 1841 (e também as edições de 1849 e 1852)

Foram cerca de 5.000; publicado por Brigham Young, Heber C. Kimball e Parley P. Pratt (por J. Tompkins, Liverpool, Inglaterra). Esta primeira edição européia foi impressa com a permissão de Joseph Smith; é essencialmente uma reimpressão da edição de 1837, mas com grafias britânicas.

Duas edições britânicas adicionais, uma em 1849 (editada por Orson Pratt) e a outra em 1852 (editada por Franklin D. Richards), mostram pequenas edições do texto. Na edição de 1852, Richards adicionou números aos parágrafos para ajudar a encontrar passagens, criando assim a primeira versificação (divisão de versículos), embora primitiva, do Livro de Mórmon.

Outras edições

Três outras edições SUD importantes envolveram grandes mudanças no formato e pequenas edições:

1. 1879: Editado por Orson Pratt. As principais mudanças no formato do texto incluíram a divisão dos capítulos longos no texto original, um verdadeiro sistema de versificação (que foi seguido em todas as edições SUD subsequentes) e notas de rodapé (principalmente referências das escrituras).

“Em 1879, com a bênção da Primeira Presidência, o Élder Orson Pratt do Quórum dos Doze Apóstolos produziu uma edição dividida em um maior número de capítulos e versículos, que tem persistido em todas as edições subsequentes. Ele acrescentou ainda notas de rodapé e fez algumas alterações na ortografia e na gramática.”

2. 1920: Editado por James E. Talmage. Outras mudanças no formato incluíram material introdutório, colunas duplas, resumos de capítulos e novas notas de rodapé. Algumas das edições menores encontradas nesta edição apareceram no início das edições de 1905 e 1911, também sob a direção de Talmage.

“Em 1920, o Presidente Heber J. Grant designou um comitê presidido pelo Élder James E. Talmage do Quórum dos Doze Apóstolos para criar uma nova edição que corrigisse alguns erros que existiam em edições anteriores. O formato dessa nova edição tinha páginas em colunas duplas, com cabeçalhos de capítulos, dados cronológicos, referências revisadas de rodapé, um guia de pronúncia e um índice. A pontuação e o uso de maiúsculas foram também revisados.”

3. 1981: Editado por um comitê chefiado por membros do Quórum dos Doze. Esta edição é uma grande reformulação da edição de 1920: O texto aparece novamente em colunas duplas, mas são fornecidos novos materiais introdutórios, resumos de capítulos e notas de rodapé. Cerca de vinte erros textuais significativos que entraram no manuscrito da impressora são corrigidos por referência ao manuscrito original. Outras correções foram feitas a partir da comparação com o manuscrito da impressora e a edição de 1840 Nauvoo.

“A edição atual (1981) inclui um grande número de referências cruzadas, notas de rodapé e outros auxílios para estudo.”

A Igreja Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (RLDS) também tem sua própria tradição textual e edições as quais não mencionarei aqui.

Edição em português

Em 1936 o presidente da recém-criada Missão Brasileira (1935), Pres. Rulon S. Howells, designou os irmãos Daniel Shupe (1901-1996) e Williams Lane para traduzir o Livro de Mórmon. Shupe era funcionário no Consulado Americano do Rio de Janeiro, e casado com uma brasileira.  Nessa época, pré-segunda guerra mundial, os missionários na Missão Brasileira ensinavam predominantemente em alemão.

A primeira edição do Livro de Mórmon em português foi publicada em 1938-1940, e edições subsequentes foram publicadas em 1958, 1960, 1961, 1969, 1972, e 1975.

Quando a Igreja publicou a versão revisada em inglês em 1981, o Conselho da Primeira Presidência e do Quorum dos Doze aprovou a retradução das escrituras modernas (Livro de Mórmon, Doutrina & Convênios, e Pérola de Grande Valor) nos principais idiomas falados na Igreja naquela época.

Para ler mais sobre essa tradução leia este artigo.

Exemplos de edições realizadas

Tipo de correção:

Transcrição (Alma 41:1)

Edição de 1830 – “Alguns prenderam as escrituras”.

Edição de 1837 – “Alguns desvirtuaram as escrituras”.

Oliver Cowdery escreveu o que ouviu, o que resultou em alguns erros de transcrição.

Ortografia (1 Néfi 13:23)

Manuscrito – “pregas” (plaits)

Edição de 1830 – “placas” (plates)

A ortografia em 1828 não era padronizada como é hoje. As revisões ajudaram a tornar o manuscrito mais compreensível.

Gramatical (3 Néfi 13:9)

Edição de 1830 – “Nosso Pai o qual estás no céu.”

Edição de 1837 – “Nosso Pai que estás no céu.”

Joseph Smith e Oliver Cowdery fizeram mais de 1.000 correções na edição de 1837, a maioria delas gramatical.

Tipográfica (1 Néfi 22:2)

Edição de 1830 – “Pelo espírito são reveladas ao profeta todas as coisas.”

Edição de 1837 – “Pelo espírito são reveladas aos profetas todas as coisas.”

Correções do manuscrito do impressor. Houve pelo menos 75 correções desse tipo.

Esclarecimento Doutrinário (1 Néfi 11:18)

Edição de 1830 – “Eis que a virgem que vês é a mãe de Deus.”

Edição de 1837 – “Eis que a virgem que vês é a mãe do Filho de Deus.”

Joseph Smith acrescentou a frase “do Filho de” neste e em outros versículos da edição de 1837 para esclarecer a doutrina.

Restauração (2 Néfi 30:6)

Edição de 1837 – “Tornar-se-ão um povo branco e agradável.”

Edição de 1840 – “Tornar-se-ão um povo puro e agradável.”

Para esclarecer o significado, Joseph Smith mudou a palavra de “branco” para “puro” na edição de 1840. Edições americanas posteriores não mostravam essa alteração porque seguiram a primeira edição europeia e a edição de 1837. As palavras usadas pelo Profeta foram restauradas na edição de 1981.

Fontes: “Livro de Mórmon, Modificações feitas no”, Tópicos do Evangelho e “Encyclopedia of Mormonism; Twentieth Century Mormon Publications” – Digital Collection – BYU Library, pg. 116

O post O Livro de Livro de Mórmon teve várias modificações e edições? apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *