O que a Igreja diz sobre as decisões como: cremação, eutanásia e doação de órgãos

Como membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, somos ensinados que nossos corpos são templos e criações sagradas de Deus. Isto parece ser uma doutrina bastante direta, isto é, até chegarmos ao fim de nossa jornada aqui na Terra.

Em tempos de aflição, muitas vezes nos voltamos para a Igreja em busca de orientação. Abaixo você encontrará as políticas da Igreja sobre doação de órgãos, suicídio assistido, cremação e prolongamento da vida.

A Igreja e Doação de Órgãos

A Igreja não tem nenhuma política em relação à doação de órgãos, mas isso não impediu que os rumores surgissem.

Cecil O. Samuelson, autoridade geral emérito e ex-presidente da BYU que também era médico, escreveu um  artigo para o site da Igreja sobre doação de órgãos. Na ausência de uma posição oficial da Igreja, Samuelson tentou entender o tema da doação de órgãos à luz do evangelho e dos princípios médicos.

“ A Igreja não tomou posição oficial sobre transplantes de órgãos. Parece óbvio, no entanto, que o transplante de órgãos não afeta a ressurreição, já que o órgão logo retornaria aos elementos básicos da Terra após a morte. O que quer que aconteça com um órgão após a morte, nos é prometido que “todo membro e junta será restaurado em seu corpo, sim, nem mesmo um fio de cabelo da cabeça será perdido” ( Alma 40:23 ).

– Cecil O. Samuelson

Como a maioria das decisões, Samuelson incentivou os membros a abordar a doação de órgãos com estudo e oração cuidadoso . Uma vez que um indivíduo tenha tomado essas medidas, ele pode saber se a decisão é certa ou não para ele e sua família. Do ponto de vista médico, a doação de órgãos é uma bênção em muitas vidas.

De acordo com a American Transplant Association , uma única pessoa pode salvar até oito vidas e pode melhorar a vida de mais de 100 pessoas através da doação de órgãos. Mais de 700.000 transplantes foram realizados nos EUA desde 1988 e a necessidade de mais transplantes está apenas aumentando.

“Muitas bênçãos vieram para incontáveis famílias através da doação e substituição de órgãos”, afirma Samuelson em seu artigo. “… Famílias lamentando a morte de um ente querido foram grandemente consoladas pelo conhecimento de que outras vidas foram salvas ou melhoradas através do recebimento de um transplante de órgão vital. Outras famílias foram poupadas de doenças debilitantes ou morte, porque um membro da família vivo foi capaz de doar um órgão para um ente querido ”.

Ele continuou dizendo:

“Ao trabalhar com doadores e receptores e testemunhar o amor altruísta que é evidente neste dom da vida e da saúde, muitas vezes me lembro do encontro de Pedro e João com o coxo mendigo quando os dois apóstolos entraram no templo. O homem coxo pediu apenas esmolas, mas em vez disso foi curado. Para o necessitado, Pedro disse: ‘Prata e ouro não tenho nenhum; mas o que tenho eu te dou ‘”.

Um exemplo específico das bênçãos da doação de órgãos é a história da filha do treinador de futebol da BYU, Reno Mahe, Elsie. Ela tinha apenas 3 anos de idade quando morreu depois de ser pego por um cabo de janela cego e sofrendo uma lesão cerebral como resultado de estrangulamento.

Cerca de um ano depois da tragédia, Mahe disse à ABC News que sua filha serviu uma importante missão e propósito em uma idade tão jovem.

“Estávamos orando para que ela tivesse um milagre e que ela pudesse sair disso”, disse Mahe. “Você sabe que está esperançoso de poder levar sua menininha para casa … Quando os resultados voltaram do jeito que aconteceu, fomos ao templo para encontrar algum tipo de paz em relação à situação a ela … Esse é o tipo de sentimento que temos. Não era suposto milagre para ela, mas a partir dela na forma de doação de órgãos.”

A Igreja e a Eutanásia

Embora os avanços modernos da tecnologia façam tão bem à humanidade, elas também podem colocar famílias em posições difíceis quando chega a hora de decidir se prolongam ou não a vida de um ente querido.

Em uma declaração oficial sobre a eutanásia e prolongamento da vida , a Igreja declarou:

“A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não acredita que permitir que uma pessoa morra de causas naturais removendo um paciente de meios artificiais de suporte à vida, como no caso de uma doença de longa duração, enquadra-se na definição de eutanásia. Quando morrer de tal doença ou acidente se torna inevitável, deve ser visto como uma bênção e uma parte intencional da existência eterna. Os membros não devem se sentir obrigados a prolongar a vida mortal por meios que não sejam razoáveis. Esses julgamentos são mais bem feitos pelos membros da família, depois de receber conselhos médicos sábios e competentes e de buscar orientação divina por meio do jejum e da oração ”.

Posso testificar que o poder da revelação é real e muito necessário num momento de tamanha dificuldade – já vi isso em minha própria família. Quando meu avô chegou ao fim de uma doença terminal que durou vários meses de montanha-russa, onde parecia que sua saúde estava melhorando um dia e despencando no seguinte, havia muitas decisões a serem tomadas.

Sou grato por membros da minha família poderem usar a oração e o jejum para encontrar suas próprias respostas para os problemas que continuavam surgindo. A última coisa que uma família precisa em um momento como esse é desacordo ou disputa, e eu acho que a capacidade de orar e jejuar sobre essas decisões pode ajudar seriamente uma família a encontrar paz e entendimento como uma unidade.

Agora, enquanto a Igreja deixou o julgamento para as famílias sobre esse assunto, ela deixa claro que a eutanásia, ou suicídio assistido, é “uma violação dos mandamentos de Deus”. Na declaração oficial acima mencionada, a Igreja esclareceu sua posição, dizendo: “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias acredita na santidade da vida humana e, portanto, se opõe à eutanásia”.

Urna funerária

A Igreja e a cremação

A estigmatização no mundo ocidental contra a cremação surge de uma ideia no início do cristianismo de que a cremação desvalorizava a herança divina de nossos corpos. Muitas pessoas viam a cremação como uma crença pagã, já que algumas religiões acreditam que o fogo age como um agente de limpeza que libera o espírito de uma prisão mortal suja.

À medida que a Igreja se expandiu para abranger um número de membros internacionais diversificados, sua atitude em relação à cremação diminuiu. Como com a doação de órgãos, a cremação é uma questão que é melhor abordada com oração e consideração cuidadosa em cada situação individual. O manual da Igreja declara:

“A Igreja normalmente não incentiva a cremação. A família do falecido deve decidir se o corpo deve ser cremado, levando em conta quaisquer leis que governem o enterro ou a cremação. Em alguns países, a lei exige cremação.

“Sempre que possível, o corpo de um membro falecido que tenha investidura,  deve estar vestido com roupas do templo quando for cremado. Um serviço funerário pode ser realizado.

Em 1991, o professor de religião da BYU, Roger R. Keller, escreveu um artigo de 1972 da New Era para a Igreja, lançando alguma luz sobre as práticas de cremação na Igreja. Ele teve o cuidado de salientar que, independentemente de qualquer que seja o fim de nossos corpos – seja um enterro tradicional, uma sepultura aquática ou cremação – eles serão restaurados à sua completa plenitude na ressurreição. Ele também compartilhou porque a Igreja tende a encorajar um enterro tradicional sobre a cremação.

“Essa tradição [de enterrar os mortos] quase simboliza os ensinamentos do evangelho da morte, sepultamento e ressurreição – a expiação de Cristo – e do batismo por imersão, como Paulo sugere em Romanos 6.”

– Roger R. Keller

Os membros não devem se sentir culpados por escolher a cremação. Em alguns casos, a cremação é a única escolha. Isso vale para muitas áreas urbanas onde simplesmente não há espaço suficiente para enterrar todos os mortos. Às vezes, um enterro tradicional pode não estar dentro dos meios financeiros de uma família, tornando a cremação uma opção melhor. A Igreja nos deu o dom de julgar nossas próprias circunstâncias e tomar uma decisão a partir daí.

A importância do arbítrio

A Igreja aconselha os membros a usarem seu próprio livre arbítrio ao tomarem decisões de final de vida.

A responsabilidade que vem com essas decisões pode nos fazer desejar que a Igreja adotasse uma abordagem mais direta e prática, já que as regras e diretrizes podem ser reconfortantes quando tudo na vida parece estar desmoronando. Infelizmente, se queremos que tudo nos seja dado, estamos na igreja errada. D & C 58:27 diz:

“Pois eis que não é certo que eu ordene em todas as coisas; porque o que é compelido em todas as coisas é um preguiçoso e não um sábio servo; portanto ele não recebe recompensa ”.

O ponto da vida não é que seja fácil – um ponto que se torna claramente claro quando nos deparamos com nossa própria morte ou a morte de alguém próximo a nós. Felizmente, o Pai Celestial nos deu o dom da revelação para tornar as coisas um pouco mais fáceis.

Nosso uso de agência deve ser exercitado de mãos dadas com oração e jejum. Enquanto lidamos com as questões difíceis que surgem quando encaramos as realidades da morte, a única maneira real de encontrar uma saída é procurar por respostas e consolo através da revelação pessoal.

Fonte: Third Hour

Traduzido por Walfrido Neto

Relacionado:

Cremação e o evangelho de Jesus Cristo

The post O que a Igreja diz sobre as decisões como: cremação, eutanásia e doação de órgãos appeared first on maisfe.org.

O post O que a Igreja diz sobre as decisões como: cremação, eutanásia e doação de órgãos apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *